Blog do Rafael Cortez

06/03/2007

João Luiz (continuação do Tour pela Vila Madalena)

O João é um dos maiores violonistas de sua geração e, sem dúvida, um dos maiores do Brasil. Tem uns 27 anos e um tremendo cabelo rasta, negão. É uma das pessoas mais atenciosas e humildes que já conheci. Nos vimos a primeira vez num Festival de violonistas em Osasco, em 96, quando eu estudava com afinco. Ele virou celebridade  mas nunca esqueceu meu nome e as coisas que a gente conversou. Gente assim é coisa rara...

 

Hoje o João toca no Quaternália, quarteto poderoso de violões. Ele também tem um duo com o Douglas Lora, e esse duo acaba de ganhar um concurso muito foda nos EUA. Eles vão excursionar por todo o país. O cara viaja o mundo inteiro tocando (bem) violão. Ah, o João tbm integra um trio (o Violão Câmara Trio, muito bom) e tem um trabalho solo igualmente sensacional. Fora que dá montes de aulas, compõe e arranja peças para violão em todas as formações que integra.

 

Conversamos muito nessa noite. O João me falou de viagens mundiais e contatoscom gente como o Gismonti, ao passo que eu descrevia minhas noites de tocador em bistrô... e o lance é que ele vibrava com todas minhas histórias, e curtia e incentivava (e sempre fez isso) cada um dos meus pequenos passos com o violão. E isso vindo dele. Todos os caras que vejo e venero no Youtube, ou os violonistas que só conheço em CD, o João conhece ao vivo e já viu, foi na casa ou é amigo. E eles conhecem o João!

 

Eram duas realidades muito distintas naquela noite. Dois violonistas, um que foi com tudo no instrumento e hj vive profissionalmente disso, com muita responsabilidade... mas também com muitos louros da fama. Justa e merecida, por sinal. Do outro lado estava eu: com o que toco hj, muito mais simples, que é basicamente o mesmo de 10 anos atrás e mais um pouco. Com meus horizontes no teatro infantil e nos bistrôs franceses, ou nos recitais nos galpões de circo e pequenos palcos. Mas feliz, ainda.

 

Me despedi do João Luiz naquela quinta e fui para casa feliz. Apesar de ter encontrado tanta gente, o que ficou da noite da quinta foi o contato com um grande artista. Que é, acima de tudo uma grande simpatia e um generoso amigo.                         

Por Rafael Cortez às 12h58

Sobre o autor

Rafael Cortez, 33 anos, ator, jornalista e violonista.

Já foi redator de texto erótico para celular, produtor de teatro, circo e TV, assessor parlamentar de uma vereadora de São Paulo, atendente de videolocadora, organizador de mais de 60 festinhas infantis e tem DRT de Palhaço. Gosta de Nara Leão, Public Enemy, lasanha e que cocem suas costas com as unhas. Está na TV como um dos repórteres do programa CQC, da Tv Bandeirantes.

Sobre o blog

Espaço para textos reflexivos, ácidos e que busquem alguma inteligência. Local para reflexões artísticas e culturais diversas. Não, aqui você não encontrará fofocas sobre o meio das celebridades. Não, aqui você não verá piadas a todo tempo... Mas se o autor se esforçar, você poderá ler alguma coisa boa. E contribuir comentando com algo melhor...

Histórico