Blog do Rafael Cortez

16/05/2008

Novo e ultimo contato Peruano

Amigos, essa eh a ultima vez que escrevo aqui do Peru. Volto para o Brasil amanha de madrugada, mas prefiro me calar porque posso acabar entregando o jogo aqui... sabem bem vcs que nunca falo abertamente das pautas do CQC ate que seja autorizado pela producao ou que elas ja tenham sido veiculadas. Faco isso para preservar o frescor e ineditidismo do material... para que vcs aproveitem o que gravamos qdo assistem, ao vivo, sem tempo de fazer pre'julgamentos por conta das minhas opinioes e dicas dadas aqui ou no orkut...  

E eu preciso parar por aqui porque estou morrendo de vontade de contar o que fizemos hj. Mas vcs terao que ver o CQC segunda... 

O que posso adiantar eh que acordei as seis da manha e comecei a trabalhar as sete... e que se passaram exatas 12 horas desde entao, e ate uma hora atras eu ainda gravava... sem ter tomado um copo de agua sequer. Horas e mais horas de pe e correndo. Muita loucura.

Mas, agora, vou jantar. E VOU COMER MUUUUITO!!! Foda'se se eu engordar...

Ate a volta! E MALDITO TECLADO!!!

Por Rafael Cortez às 21h06

15/05/2008

Mais novidades

Mais um dia no Peru... e ainda nao sei mexer nesse teclado... vcs terao de aguentar!

Hj fomos ate a sede da Cupula. Mil jornalistas, mil expectativas... mas nao da jogo fazer a cobertura com o pouco de acesso que eles autorizam a toda a imprensa... aqui, em Lima, o governo peruano se preocupa em fazer deste encontro um show de seguranca. Os caras tao mostrando servico. Quem perde com isso eh o time de jornalistas que precisa levar material para casa. Nao se pode chegar nem minimamente perto de nada. Digo que ha ruas inteiras fechadas ao redor dos hoteis onde as comitivas presidenciais estao hospedadas... e isso nao eh exagero. Em nada interessa ao senhor Alan Garcia que algo de errado em sua terra, justo qdo ele eh o anfitriao de outros presidentes importantes... e ainda assume o papel de conciliador entre os senhores Alvaro Uribe e Rafael Correa.

O que nos interessou e muito e pareceu render foi que gravamos um evento local paralelo. Repleto de uma galera mais radical, de esquerda, louca com o Tio Sam e elencando contradicoes desse maximo evento oficial que aqui cubro.

Passamos boa parte do nosso dia la. Falamos com um monte de populares e foi divertido. No entanto, percebi hj que os choques culturais sao muito grandes tbm em materia de humor. Gravei algo com um grupo de bolivianos muito tipicos, e eles nao gostaram nada. Tive de sair correndo e eles cercaram o Pedrinho, nosso camera. Quase deu merda. Eles nao entenderam a piada e eu tive de me conformar que nem todo mundo tem o mesmo humor que os brasileiros - assim como aprendo, todo dia, que somos bem diferentes da comedia argentina que eh matriz do CQC, por exemplo.

No fim da tarde, ainda no tal evento, corremos muito atras de um presidente. Demos mil voltas atras de seu carro que queria despistar o local exato em que o apanharia depois de uma atividade esportiva. Ficamos exaustos e alguns litros mais leves.

Meu espanhol sofrivel melhorou um pouco ao longo do dia. Comi um peixe cru no almoco. Algo muito tipico daqui, mas um tanto suspeito em termos de sabor, consistencia e apresentacao. Estou rezendo para sobreviver a ele.

Ah, e tomei Inca Cola hj! Eh a Coca'Cola dos peruanos. O grupo Coca'Cola jamais conseguiu superar as vendas deste refrigerante aqui. Tipico caso de uma bebida industrializada regional que enfrentou um icone do capitalismo. Bem, parece ser esse tipo de exemplo que a Cupula quer seguir aqui.

Inte!

Por Rafael Cortez às 21h36

Direto do Peru

Em primeiro lugar, desculpem... mas estou usando um teclado de configuracao espanhola... nao sei onde ficam cedilhas, acentos e demais coisas no teclado... dane'se! 

Estou no Peru, sem sono e precisando dormir logo. Estamos na V Cupula de Chefes de Estado da Uniao Europeia, America Latina e Caribe. Chegamos ontem depois de um voo confortavel e vazio, 5 horas apos decolarmos de Guarulhos'SP. Lima è uma cidade que cheira a mar e cigarro... estranha... tem um ar meio feio, mas o centro historico eh bem bonito... no entanto, eh dificil dizer se estamos conseguindo conhecer algo da cidade porque trabalhamos muito e tbm pq aqui tudo esta absolutamente descaracterizado por conta do evento.

Ruas e mais ruas inteiras estao fechadas esperando a chegada de presidentes importantes em hoteis 5 estrelas. Eles chegam na quinta a noite e sexta de manha. As pessoas nao podem circular normalmente pelos lugares de costume porque tudo esta isolado e cheio de grades para garantir a seguranca de um bando de figuroes. Hà policiais armados ate os dentes nas ruas. Carros cheios de soldados, exercito e  ate tanques. Assustador...

Gravamos muitas coisas hj. Mas a Cupula em si vai ser jogo duro. Eh beeeeeeeem dificil chegar perto dos caras... e a gente ta falando de Hugo Chaves, Alan Garcia, Evo Morales, Lula, Angela Merkel, Sarkozy, Rafael Correa, Raul Castro e tantos outros fodoes juntos numa mesma cidade... eh como fazer uma materia com o Lula multiplicada por 10 em termos de dificuldade!

Amanha sera um dia pesado... pelo menos agora de noite fomos jantar e depois tomamos uma cerveja com umas peruanas inusitadasa. O Pedrinho, nosso camera mais engracado e malandro, esta prestes a romper o primeiro mandamento de viagens do CQC. E ele tem que ser corajoso, porque as peruanas sao muito feias... pegamos um taxista maluco de tarde e cada vez mais acreditamos piamente que os caras em Lima nasceram com a mao grudada na buzina... e que atè eu, que nao dirijo, piloto um carro melhor que eles. Vemos Simpsons em espanhol na TV antes de dormir. Nossa conta no frigobar esta uma fortuna jà... meu espanhol ta uma beleza... o Gonchi, nosso produtor, dorme pesado agora... muita gente acha que sou do CQC da Espanha... vamos trampar umas 15 horas amanha... e mais umas 20, pelo menos, na sexta... e por aì vai...

Ou seja... tà um tesao!!!

Aguardem mais noticias escritas em diabolico teclado!     

Por Rafael Cortez às 04h52

11/05/2008

Delírio

Texto livre, não necessariamente pessoal.

Bicicleta vermelha, surgindo e sumindo. Ele está à vista. Embaixadinhas. Rainha do futebol. Ela continua, ainda! Um carro acelera, corre! Ele devia ser preso... cachorros latindo na casa do fundo. Onde está o seu irmão? O portão de ferro abrindo à distância. Será esse o seu pai? Batidas ritmadas na porta de vidro. Chegou alguém que se ama demais. Quem varre logo cedo na porta de casa é sempre ela. Um carro Gol chegando tarde. Tomara que elas venham... Um susto na madrugada, um barulho na janela. Batata frita e suco de laranja na noite alta. Guerra d´água. Festa junina, Corpo de Bombeiros, um grito no meio da tarde. A casa inteira com o mesmo cheiro. Às quintas-feiras, melancia e verdura obrigatória. Reza braba com a empregada. A bengala. E a baguete de pão, junta. Croques do primo. Uma tarde de luta. Novela na tarde que começa cedo.

Cigarro no telhado com o vizinho. Espreitar a boazuda da casa ao lado... que faz isso de propósito, e com carinho. Medo que sai. Medo que volta. Medo que nunca volta. Medo de querer que nunca volte. Leite condensado, aos goles e escondido. Revista proibida debaixo da cama. Chocolate nas gavetas, esquecido e vencido. Baratas cascudas, grandes, voadoras. Medo do gato no muro alto do quintal.

Barulho de pão de dia, bem cedo. Mistério da casa que não se conhece se desvenda quando se falta à escola. Máquina de lavar soando alto, como a rádio FM. Quebra-cabeças e desenhos de avião assinados.

Quarto dos fundos, estudo. Quarto dos fundos, depósito. Quarto dos fundos, lição. Paredes sujas, mistura de papel moído no teto. Carpete imundo no chão. Camas quebradas, portas caídas. Dormir no colchão. Primeiros beijos mais ousados, primeiras carícias, primeira paixão. Cigarro Gudan-Garan. Teatro para quem pode fugir. Quantas fichas vc tem? Há unidades no cartão? Tem alguém aí? Cinema, quando dá. Rádio Am de domingo. Medo de acordar. Medo ao ir, dormindo. Um soco na parede e tudo volta, como novo.         

Por Rafael Cortez às 20h15

Fazendo contato

Tem tanta gente me escrevendo aqui! Quem diria que esse despretencioso blog teria posts com mais de 30 comentários! Tá certo que ele tá longe de atingir a popularidade do Blog do Tás, mas já me contento muito em estar com quase 20 mil visitantes... e fora que o Tás é coisa fina, e faz por merecer! Já eu sou apenas um pobre rapaz latino-americano, como diria o Belchior...

Bom, mas o fato é: não tô conseguindo responder todo mundo. Nem aqui, nem no orkut. Casca... mas leio tudo, registro tudo e tô ligado. E lamento não postar coisas novas com mais eficácia e frequência... e também lamento não publicar os textos que realmente quero porque não tive tempo de fazer isso ainda - já que nem os escreví!

Vcs tem sido tão bacanas e carinhosos que me sinto no dever de dar um sinal de vida, de contar as novidades, te dizer o que anda rolando. Em linhas breves, é o seguinte:

- Terminei de gravar o áudio-livro com o texto de "Memórias Póstumas de Brás Cubas", do Machado de Assis, na quinta-feira. Foi um intensivão pra encerrar isso: gravei cerca de 30 capítulos que restavam e tive de reler uns 3 inteiros porque o equipamento deu pau - justo os mais compridos, como o do delírio do protagonista no leito de morte. Gravar Machado é fogo. Ninguém mais usa o português erudito dele (que pena). E o cérebro da gente já decupa as formas gramaticais conforme o que a gente usa coloquialmente. Ele escreve "dou-te-lhe" e a gente lê "te dou" se estiver distraído. Neste livro em sí ele se vale de looooongos períodos, quando a gente está acostumado com sentenças curtas. Ele insere diálogos no meio de frases sem dar as pistas da literatura moderna e facilitada, como os travessões... e por aí vai. Dos três livros do Machado que já gravei até agora, esse foi o mais difícil. Mas fiquei feliz com o que fiz: criei uma leitura onde o narrator-defunto está mais sóbrio na descrição dos fatos. Meio elegante, até, como um morto clássico. Coloquei no Quincas Borba o avesso do entusiasmo que as pessoas imaginam que ele teria como autor da filosofia do Humanitismo. Na minha voz, ele é meio cansado e monocórdico. Exatamente do jeito que eu o via quando lí este livro pela primeira vez, na infância. Quanto à Virgília, lhe dei mais pulso, mais energia - bem diferente do tom mais malicioso que adotei quando fiz a Capitú, em "Dom Casmurro" (que, na minha opinião, traiu). Em tempo: não fiz voz de mulher para ler as personagens femininas. O que muda é a entonação, certo? 

- Nessa semana que tá começando eu vou gravar no Perú. Vou pra Lima acompanhar o encontro de Chefes de Estado da América Latina e União Européia. O CQC preparou uma tremenda pauta para a ocasião. Vamos ver o que conseguiremos na prática. Volto no outro domingo... logo, não conseguirei muito ler e-mails, ver orkut e o blog nos próximos dias

- Quando voltar de viagem, começo a gravar em áudio-livro "Quincas Borba", também do Machado de Assis.

- Hoje gravei uma matéria irada de manhã. Não posso falar porque não sei se vai ao ar na próxima segunda ou só na outra... e, até que as matérias se confirmem ou a gente seja autorizado a comentá-las, faz-se o suspense... mas posso adiantar uma coisa pra vcs: falei com um personagem histórico da política brasileira. Alguém que a gente ainda não tinha pego. Eu, em especial, não via a hora de cruzar com ele. Foi um presente quando o ví na minha frente. Tantos anos ouvindo suas histórias!! Tão, mas tão polêmico!! Rolou um bom papo, bem no estilo CQC. Quem é? Bem, vcs terão de esperar pra ver...

- Tô sarado da gripe, mas pronto para pegar uma nova em Lima. Ah, e tô 2 quilos mais gordo. Mas tô pronto para emagrecer uns 4 em Lima...

É isso por enquanto. Prometo voltar cheio de novidades, ok?

Abraços!

   

Por Rafael Cortez às 04h02

Canção - Mompou

Estou aqui em casa ouvindo uma música do Federico Mompou. Ele foi um compositor espanhol que contribuiu muito para a expansão de obras pianísticas muito belas no século passado. Escreveu uma Suíte para Violão - a Suíte Compostelana, também muito bela. Mas o forte do cara era mesmo o piano.

O excepcional diretor espanhol de cinema Carlos Saura soube, antes de muita gente, da genialidade do Mompou. Tanto que elegeu a bela "Canção" (da "Canção e Dança número 04") do Mompou como tema de abertura de seu mais lindo filme (na minha opinião) que é o "Cria Cuervos". Já falei desse trabalho aqui, bem como da atriz Josefina Diaz, que se destaca como intérprete. Mas a abertura desse longa metragem é fora de série porque a música é tocante ao extremo... e ela "narra" a história da menina protagonista da trama, em meio a fotos antigas e uma sensibilidade incomum. Um daqueles belos casos em que a música toma forma material e transcende tudo que a gente conhece. 

Não achei a cena em sí no Youtube, mas postei aqui um trecho do filme onde se pode ouvir o tema. Pode parecer triste... mas as pessoas às vezes confundem tristeza com beleza. E, na maior parte dos casos, quando se trata de música, o que se destaca mais aos ouvidos sensíveis é a sensação de que esse algo é mais bonito do que necessariamente deprecivo.

A propósito: fiz um arranjo para violão dessa música. Até já gravei. Vai estar no novo CD - aquele, que tá parado e que eu gravo desde 2006...  

Por Rafael Cortez às 03h15

Sobre o autor

Rafael Cortez, 33 anos, ator, jornalista e violonista.

Já foi redator de texto erótico para celular, produtor de teatro, circo e TV, assessor parlamentar de uma vereadora de São Paulo, atendente de videolocadora, organizador de mais de 60 festinhas infantis e tem DRT de Palhaço. Gosta de Nara Leão, Public Enemy, lasanha e que cocem suas costas com as unhas. Está na TV como um dos repórteres do programa CQC, da Tv Bandeirantes.

Sobre o blog

Espaço para textos reflexivos, ácidos e que busquem alguma inteligência. Local para reflexões artísticas e culturais diversas. Não, aqui você não encontrará fofocas sobre o meio das celebridades. Não, aqui você não verá piadas a todo tempo... Mas se o autor se esforçar, você poderá ler alguma coisa boa. E contribuir comentando com algo melhor...

Histórico