Blog do Rafael Cortez

10/10/2008

Do que me disse Ravel

Um dia ela apareceu; de onde, ninguém até hoje sabe. Só o que era claro a seu respeito era que estava sozinha e teria um destino certamente infeliz. Chegou e recebeu um mundo todo, novo em folha, repleto de alternativas.

 

Retribuiu como pôde. Transformou-se em pouco tempo na grande sensação. Não havia quem não a amasse muito – e como poderia ser diferente?

 

Esteve em todos os momentos desde então. Nos bons e nos ruins. Teve todo aquele lugar para aproveitar com a gente no tempo certo e, assim como nós, também teve medo quando deixou o refúgio de sonhos para seguir em frente na nova empreitada, distante e pequena.

 

Lá amadureceu e solidificou sua personalidade. E era forte a danada. Boa de briga, se preciso. Um pouco neurótica, é fato. Mas amiga de quem merecia. Não tinha papas na língua. Dizia a todo instante que gostava disso ou daquilo. Que queria as coisas, e que viessem logo. Mas que saberia esperar pelas melhores na hora devida.

 

Algumas dessas coisas nunca vieram. Outras ela conquistou naturalmente. Das mais importantes, a amizade com aquela que acostumou a chamar de mãe. E que, como ela, também aprendeu a amar no tempo certo.

 

Ela viu tudo mudar muito à sua volta. Quem disse que ela gostou? Mas quem diria... ela também soube modificar o pequeno montante de coisas da sua realidade. Conseguiu impor sua rotina e ganhou reconhecimento em itens pequenos, em pequenos gestos. Sábios aqueles que souberam compreender.

 

No entanto, ela também envelheceu. E, aos poucos, ela percebeu o que todo mundo já sabia, mas poucas vezes questionava. De uns tempos pra cá ficou cansada de tudo. Demais. Acabou por nem se levantar.

 

Da última vez que nos vimos eu sei que ela se despediu, a seu modo. E eu sei que ela estava grata por tudo – e com a mesma saudade que eu.

       

Por Rafael Cortez às 18h58

08/10/2008

Imprensa

uma foto do meu pai, José Gustavo, em 1976 - saiu em uma das revistas

 

Como alguns de vcs sabem, saíram algumas coisas na imprensa comigo ultimamente. Chance para vcs me verem micando, muitas vezes, e posando de bom-moço em situações mais raras...

Na Criativa que está nas bancas vcs podem ver Felipe Andreoli, Warley Santana e eu "tirando a roupa" por uma causa ambiental. Bem, nem se animem (ou fiquem aliviados!): nenhum de nós ficou nu de fato. Bem, teve um momento em que o Andreoli quis tirar a calça pra mim, mas nem conta...

No site da revista Em Cartaz vcs conferem um rápido bate-papo comigo. O link é esse:    

http://www.revistaemcartaz.com.br/index.php?option=com_content&task=view&id=240&Itemid=54

Na edição de aniversário da Gloss tem um ensaio comigo destruindo um bolo... e uma entrevista com altos e baixos. Não gostei muito da edição das perguntas e de como algumas coisas que disse foram adaptadas a uma linguagem mais estereotipada e adolescente. Eles sabem disso. Mas isso em nada muda meu carinho pela equipe e meu respeito à publicação.

Por fim, a Playboy de outubro fez 20 Perguntas comigo. Gostei de ter participado e de ver como o jornalista Bruno Lazaretti é sério, apesar de tão jovem. Fora que na revista trabalha hj o Felipe Zylber, meu amigo da época da Abril Digital. Manda bem sempre! Ponto pra ele a cada edição.

No site da revista (www.playboy.com.br) tem 10 perguntas extras. Elas seguem de brinde pra vcs aqui e agora.

Um abraço,

Rafa

1

Como você foi tratado pelos outros repórteres no Festival de Veneza?
Na coletiva do Brad Pitt e do George Clooney, como eles são muito visados, todo mundo quer ter um diferencial, perguntar algo que eles nunca tenham ouvido. Apesar de eles já terem ouvido de tudo e estarem com o saco na Lua. Então não senti muita vergonha. Além do que tinha uma repórter de uma TV espanhola numa situação totalmente constrangedora. Ela foi com shortinho de jogadora de futebol, com camisetinha – gostosa, gostosa pra caramba! Ela pediu o microfone e foi se aproximando até o limite permitido. Aí ela falou: “Eu vim aqui, não tenho nenhuma pergunta, mas quero saber se posso sapatear pra vocês”. Ela falou isso e recebeu uma puta vaia! Que é o maior medo de qualquer jornalista em coletiva de imprensa. Eu morro de medo de ser vaiado! Ela foi vaiada e foi piorando. “Não posso sapatear? Então danço.” E ficou dançando, e os caras com cara de paisagem. Quando chegou a minha vez já estava light.

2

E no empurra-empurra da saída das estrelas?
Tive um problema com a BBC de Londres na saída da Charlize Theron. A gente tava na grade quando ela saiu da coletiva de imprensa, e nós disputando homem a homem por um espaço na grade, jornalistas e fãs. E aí eles [da BBC] foram de uma soberba... “Primeiro a gente vai fazer nosso trabalho sério, depois você faz o seu.” Quando falam assim comigo eu fico louco. Mas me intimidaram, porque era a BBC de Londres...

3

Então a relação com a imprensa é turbulenta?
Mas gente se diverte. Uma vez dei entrevista, eu e o Vesgo [do Pânico], para um jornal do Rio de Janeiro, em que inventamos muita coisa. Falamos que tínhamos estudado junto, que eu namorava a irmã do Vesgo e tal. E isso saiu em vários lugares! “Vesgo e Rafael Cortez são muito amigos. Rafael, inclusive, namorou Juliana, irmã de Vesgo”. Eu faço isso como Danilo Gentili também, a gente fica confundindo todo mundo. E repercute!

4

Você é bom de briga?
Cara, eu só entro em briga pra causar, empurrar todo mundo [risos]. Acho que todo homem tem que entrar numa briga, nem que seja pra entrar empurrando todo mundo e correr muito. Mas já apanhei também.

5

Como foi?
Quando eu tinha 16 anos estava todo alegre, andando com meus amigos no Itaim Bibi. Todo mundo cabeludinho, mas ninguém era partidário de nenhuma “tribo”. Até que apareceu uns carinhas de bike: “Ô, seu heavy metal, aqui é bairro de punk, você não pode andar aqui não”. E eu respondi: “Mas eu não sou nada, estou de boa, andando”. Aí os caras começaram a puxar o meu cabelo, me zoando, e eu lá [faz voz fininha]: “Pára, meu! Pára, porra! Sai!”, aquelas coisas de menino de 16 anos. Foi quando o maior de todos desceu da bike e meteu o pé na minha cara. Fiquei inchado uns quatro dias. Tem que ser muito covarde. Sou um cara que paga pra sair de uma briga. Não pretendo ser agredido no CQC tão cedo.

6

Algum outro repórter já apanhou legal no programa?
O Oscar [Filho] levou uma bordoada do [diretor Hector] Babenco. Ele deu uma revistada na cabeça do Oscar. E era uma revistona! O Oscar foi genial, ele mandou uma ótima. O Babenco tinha dado uma declaração infeliz de que não havia atores brasileiros à altura do Gael García Bernal, sendo que ele sempre trabalhou com ator brasileiro. E o Oscar perguntou pra ele: “O que você acharia de uma declaração de que não existe diretor brasileiro naturalizado argentino à altura do Fernando Meirelles?”. O Babenco respondeu algo como: “Acho isso uma babaquice, suas perguntas são muito idiotas. Você é um bolha, um babaca”. Aí ele enrolou a revista e deu na cabeça do Oscar! Ele foi o único que apanhou até agora.

7

Você já conseguiu algum furo de reportagem no CQC?
Sim, mas não valeu como furo. Fui para o Rio fazer uma matéria que ficou uma bosta: leilão de gado da Ana Maria Braga no Copacabana Palace. Uma bosta, mas era boca livre. Ficamos bebendo, comendo, olhando o lugar. Foi aí alguém falou que o Romário ia fazer a seleção dos melhores gols da carreira dele lá na Barra da Tijuca. E ninguém queria ir, ninguém botava fé. Mas acabamos indo. Chegando lá, começamos a gravar com o Romário e tal, e de repente ele me puxou e falou: “Olha, não vou mais jogar não. Aliás, quero avisar, estou me aposentando! É o fim da minha carreira, acabou pra sempre!”. Aí os repórteres que estavam em volta caíram matando. Mas a gente só iria veicular na outra segunda, então não foi furo. Mas quem tirou a declaração fui eu.

8

O que acha dos programas de humor como o Casseta & Planeta? Ficaram obsoletos?
Não, acho que há espaço pra todo mundo. O que eu sinto é que existem abordagens diferentes. O Casseta & Planeta cria personagens, o Pânico faz isso também. É uma coisa sacramentada pelo Chico Anysio. Mas há uma predisposição do brasileiro para absorver comédia. Desde que seja engraçado, como diz Tom Cavalcanti. Tem que ser engraçado.

9

Quem você gostaria de sacanear?
O Danilo Gentili. Acho que isso ainda vai acontecer, vai rolar um “duelo” entre amigos. Também queria fazer um CQTeste com a Maria Bethânia, acho que seria ótimo.

10

A saideira: o que você perguntaria pro Michael Jackson?

Pro Michael Jackson? [Risos] A última mulher que você comeu foi a Dona Cândida, cara?

 

 

Por Rafael Cortez às 19h52

06/10/2008

Atualíssima

Só pra completar o post anterior:

Estarei hoje, segunda, dia 06, ao vivo no Atualíssima da Band, a partir das 15hs, falando do CQC Especial que vcs verão.

Leão Lobo e Rosana Hermann que me aguardem!

Abraços

 

rara aparição minha numa gargalhada... foto de Verena Smit, do Glamurama, durante a balada do VMB da MTV

 

 

Por Rafael Cortez às 13h54

CQC Especial

Uma prévia do que vcs verão no programa -foto de Flávio Florido, do UOL 

 

São pouco mais de duas da manhã e eu devia ir dormir de uma vez. Afinal, me deitei na noite de sábado para domingo às 3 e só peguei no sono às 5... para acordar as 6 e meia de hj e enfrentar uma jornada de quase 15 horas de trabalho pelo CQC.

Todos nós do programa demos um gás danado hj. Eleições municipais 2008... E o que vcs verão amanhã no ar é resultado de um trabalho insano de mais de 50 pessoas. Um povo inteiro pensando em uma cobertura diferente desse momento especial. Um time de gente trampando bem mais do que eu, desde muito antes, desde semanas antes, mas com todo meu gás e toda minha motivação de trabalho na hora em que isso me foi solicitado - e idem cada um dos meninos.

Hj eu me dei conta, mais uma vez, do tesão desse trabalho. Como nossos produtores, câmeras, assistentes, roteiristas, pauteira, editores, sonoplastas, animadores e técnicos em geral são do caralho. Eles suaram a camisa por vcs para o que vcs verão. E olha... pra quem gosta de política, é bem capaz que o CQC dessa segunda seja o melhor programa de todos até agora. A gente não mediu esforços. E a energia foi tão boa, e a experiência foi tão única, que nem sono mais eu tenho.

Buenas, mas a noite se incumbe do resto...

Até mais tarde!

Rafa

 

 

Por Rafael Cortez às 02h21

Sobre o autor

Rafael Cortez, 33 anos, ator, jornalista e violonista.

Já foi redator de texto erótico para celular, produtor de teatro, circo e TV, assessor parlamentar de uma vereadora de São Paulo, atendente de videolocadora, organizador de mais de 60 festinhas infantis e tem DRT de Palhaço. Gosta de Nara Leão, Public Enemy, lasanha e que cocem suas costas com as unhas. Está na TV como um dos repórteres do programa CQC, da Tv Bandeirantes.

Sobre o blog

Espaço para textos reflexivos, ácidos e que busquem alguma inteligência. Local para reflexões artísticas e culturais diversas. Não, aqui você não encontrará fofocas sobre o meio das celebridades. Não, aqui você não verá piadas a todo tempo... Mas se o autor se esforçar, você poderá ler alguma coisa boa. E contribuir comentando com algo melhor...

Histórico