Blog do Rafael Cortez

20/02/2009

Não sei o que fazer

ELE

ESTÁ

AQUI

AGORA

Por Rafael Cortez às 05h22

19/02/2009

João

Bem-vindo, João.

A vida tem um monte de coisas boas pra vc. No que depender do amor dos seus pais, vc já chegou com sorte.

Ví vc hoje e fiquei feliz de saber que vc é do jeito que eu pensava mesmo: e, ainda por cima, meio gorduchão... 

Lembre que tem um tio aqui que vai ser seu amigão por toda a vida! Quem sabe não aprendo a jogar futebol com vc um dia?

Um beijo enorme

Rafa      

Por Rafael Cortez às 02h23

17/02/2009

Não aguento mais o Loreno

 

Hoje eu gravei na Band, de tarde. Algo relacionado ao CQC. Depois, comecei a “via-crucis” que é esperar pelo contato do Loreno. Ele é muito enigmático ao marcar coisas. Não tem telefone e eu estava em dúvida, até agora pouco, se ele tinha mesmo uma casa.

 

Como ele não tem regra de horário e aparentemente não tem relação alguma com uma agenda, contar que ele cumpra com algum combinado é tarefa árdua. Ontem foi assim, quando ele ligou de noite para mim de um orelhão. Falou rapidamente que tinha uma mensagem... e colocou uma mulher na linha, que não sabia com quem estava falando e sequer conhecia aquele sujeito... em seguida, a ligação caiu e nada dele retornar.

 

A única pista que eu tinha é que ele apareceria na porta do meu apartamento hoje em algum horário, e que eu saberia qual. Ele avisou que não ia interfonar... “sua sensibilidade, Rafael, dirá que eu já cheguei”. Foi o que ele me falou.

 

Não foi preciso nada disso. Eu cheguei da gravação e ele estava me esperando, sentado na calçada. Minha vizinha disse que ele passou a manhã toda aqui, alternando momentos de choro com horas de risadas gratuitas e cantorias.

 

Eu esperava que ele fosse dizer coisas malucas e bregas, como de costume... ou que me surpreendesse com algo típico dele... mas não. Ele me viu, me abraçou e chorou copiosamente. Eu, claro, fiquei super embaraçado. Ele enxugou as lágrimas e disse que elas eram pela Humanidade. Depois começou a rir e correu até a outra calçada, como uma criança, fazendo uma dancinha esquisita e propondo um jogo idiota de “pega-pega”. Tive medo dele ser atropelado. E ficou claro para mim: ele é bipolar.

 

Falei com ele como se estivesse com uma criança. Foi meio patético, confesso. Ele percebeu e ficou chato: me deu uma dura na rua mesmo. Falou que eu deveria parar de pensar que o conheço; parar de crer que posso padronizá-lo. “Transfira essas suas projeções para outro, cara! Vc não pode simplesmente me taxar como louco só pq VC acha louco qualquer tipo de coisa fora do SEU padrão mesquinho de comportamento social!”

 

Ele saiu batendo pé e nem olhou pra trás. Eu fiquei perplexo e tive que me esforçar para fazê-lo parar. Me ocorreu cantar alguma coisa, e eu juro que fiz o jogo dele: cantei, em voz alta, a primeira coisa que me veio à cabeça: “História de Uma Gata”, do espetáculo “Os Saltimbancos”, que eu tantas vezes cantei em cena.

 

O Loreno ouviu e veio na minha direção sorrindo. Chegou bem perto de mim, e eu ainda cantando, meio assustado, muito constrangido... e já tinha gente na porta do meu prédio assistindo tudo. Ele pôs a mão na minha boca (eu detesto quando ele faz isso), fez um gesto de “silêncio” e me deu um leve tapa na cara, mas que doeu. E disse: “vc ainda não entendeu nada”.

 

Foi embora mais uma vez, e dessa vez eu nem fiz nada para evitar.  

Por Rafael Cortez às 21h47

16/02/2009

O site está no ar!

Sim, amigos!

Promessa é dívida!

Disse que hoje, dia 16 de fevereiro, estrearia meu site. Pois bem, ele acaba de ser colocado no ar!

Acessem:

www.rafaelcortez.com

Depois, me digam o que acharam.

Um abraço

Rafa

Sobre o Loreno: calma, ok pessoal? Só isso que tenho a dizer. Hoje não falei com ele. Mas amanhã vou encontrar com o cara para uma conversa séria. 

 

 

Por Rafael Cortez às 18h35

15/02/2009

Loreno, de novo

Olá a todos

 

Vi o quanto meu texto sobre meu encontro com o Loreno mexeu com vcs e peço desculpas. Não foi minha intenção assustar ninguém, tampouco causar tanta comoção. Obrigado aos que ficaram preocupados (as) e mandaram dicas e palavras boas. E, já que todo mundo aqui quer saber, vamos às novidades desse encontro de hoje.

 

Sim, encontrei o Loreno de novo. Foi bem estranho, como ontem. Me dei conta que não tinha um telefone sequer dele, nada. Ele é que anotou o número do meu celular, e só. E ele não ligou, não deu sinal de vida. Fiquei tão, mas tão perturbado com isso!

 

Lá pelas 16hs eu cansei de ficar aqui esperando um contato e saí pra dar uma volta. O tempo todo na rua eu tive uma sensação estranha... parecia que alguém me observava. E, lá pelas tantas, na esquina de casa, quando eu estava quase chegando, vi que ele estava uns metros atrás de mim, me seguindo. Ele, o Loreno.

 

Eu fui tirar satisfação e dizer que ele estava me assustando; que eu não gosto desse tipo de coisa; que eu estava achando tudo muito louco. E ele me olhou fundo nos olhos e disse que eu devia ter procurado por ele dentro de mim, que era lá que ele sempre esteve. Disse isso e saiu, sem olhar pra trás.

 

Eu fiquei puto e parei na frente dele. E notei que ele tinha uma escova de dente na mão, com pasta e tudo. Ele se agachou, pegou uma pedra no chão e a lavou como se fosse a coisa mais preciosa do mundo. Disse que “tantas são as belas manhãs”, ou algo do gênero.

 

Esse cara me deixa perplexo. Ele não tem regra. Não é previsível em nada. Sei que ele gosta de coisas simples e da natureza, mas não sei mais nada sobre o cara. Não me contou nada do seu passado, apenas que esteve em todo tipo de lugar... mas só se encontrou no barulho do vento. Ele me recitou uma poesia e calou a minha boca com uma das mãos quando eu quis comentar – disse que queria apenas me observar em silêncio.

 

Depois aconteceu algo que eu não posso comentar aqui. Mas que nunca tinha rolado comigo antes. E eu estou cada vez mais confuso, angustiado e absorvido por esse Loreno. Decidi que vou me empenhar para que ele seja feliz e que preciso fazer algo por ele.

 

Preciso ajudá-lo a chegar até as pessoas. Vou recomendar o Loreno para amigos que podem ouvi-lo melhor e fazer com que ele seja ouvido por vcs. Ele foi embora sem nem se despedir. Mas eu vou brigar por ele. Eu vou fazer algo por ele. Ele está me fazendo um cafuné agora, e nem sabe disso...

 

Um abraço angustiado...

 

Rafa         

 

Por Rafael Cortez às 20h06

Sobre o autor

Rafael Cortez, 33 anos, ator, jornalista e violonista.

Já foi redator de texto erótico para celular, produtor de teatro, circo e TV, assessor parlamentar de uma vereadora de São Paulo, atendente de videolocadora, organizador de mais de 60 festinhas infantis e tem DRT de Palhaço. Gosta de Nara Leão, Public Enemy, lasanha e que cocem suas costas com as unhas. Está na TV como um dos repórteres do programa CQC, da Tv Bandeirantes.

Sobre o blog

Espaço para textos reflexivos, ácidos e que busquem alguma inteligência. Local para reflexões artísticas e culturais diversas. Não, aqui você não encontrará fofocas sobre o meio das celebridades. Não, aqui você não verá piadas a todo tempo... Mas se o autor se esforçar, você poderá ler alguma coisa boa. E contribuir comentando com algo melhor...

Histórico