Blog do Rafael Cortez

15/07/2009

Breve tratado sobre fazer ou não a faculdade de Jornalismo

 

Muita gente tem me escrito perguntando a mesma coisa: o que acho da decisão do STF que derruba a obrigatoriedade do Diploma como critério de qualificação para Jornalistas. Mais: muitas dessas pessoas me questionam se é eficaz fazer ou não a faculdade de Jornalismo a partir de agora. São jovens estudantes em dúvidas profissionais, alunos de Comunicação Social que se encontram desiludidos e até mesmo professores universitários que ficaram estarrecidos com a novidade.

 

Sei que o assunto já rendeu muito e parece até meio velho... mas eu ainda não disse nada. E tô devendo, em especial, uma opinião para a Lígia e a Letícia, que me escreveram particularmente... e que estão bem confusas com isso tudo. E o que eu acho é o seguinte:

 

Essa decisão foi idiota. Ela reflete bem o que as Autoridades pensam a respeito de instrução e aprofundamento intelectual no nosso país: isso é bobagem. O caminho da erudição parece perda de tempo para elas. Tanto é que creditam ao Formador de Opinião um papel muito menos imponente do que ele merece: o Jornalista, para o STF, pode ser qualquer um. Isso reflete o "jeitinho brasileiro" que tanto nos faz mal... mas que é propagado por todo tipo de, novamente, Autoridade. Estudar para instruir parece bobo. Mais vale é seguir lógicas de mercado de um mundo Globalizado para nivelar toda uma categoria, do que incentivar a padronização inteligente, a inserção correta de novos e antigos profissionais, formados ou não, na tal categoria a que me refiro.

 

Em resumo, a decisão é uma bosta... mas ela não deve ser utilizada como desestímulo para quem quer conhecer esse maravilhoso trabalho do Jornalista.

 

Se vc quer fazer a faculdade, faça. Mas, primeiramente, não faça pensando em mercado, validade do Diploma, etc. Faça pela FACULDADE e por tudo que ela vai te trazer de legal.

 

A faculdade de Jornalismo ainda é bem bacana. Lá, as pessoas terão um convívio universitário que, por si só, já é um tesão. Fora o espaço de aprofundamento de idéias, reflexões críticas e experimentação. O espaço de experimentação, aliás, é o mais interessante. Se um indivíduo fizer uma faculdade com a mente aberta como a PUC, por exemplo (que eu fiz), ele terá a sorte de pegar professores que compram as suas idéias, deixam-no fazer novas abordagens, acertar, errar e "pirar o cabeção". Eu mesmo me formei em Jornalismo com um TCC completamente ousado para os padrões da minha profissão - era um trabalho em vídeo comigo, só comigo, sem fontes, entrevistados, pesquisas, etc, falando sobre o violão e as dificuldades em me tornar músico.

 

É uma pena que a decisão do STF caia como uma bomba nas faculdades de Jornalismo. Qdo um cara diz pra sociedade que não é preciso mais ter diploma de Jornalista para ser um, é o mesmo que dizer: não precisa mais transcender os limites da formação padrão de Ensino Médio. Aliás, num país aonde só cerca de 10% da população chega ao nível Superior de ensino, estimular a experiência acadêmica é perda de tempo, pessoal. Vão com tudo aí pelas tabelas, que dá certo. Parece ser isso que eles dizem.

 

Bem, falei sobre a experiência universitária, que acho que ainda é um tremendo estímulo para se fazer Jornalismo de verdade. Mas ainda existem aflições de mercado, que são bem pertinentes. Vamos pensar sobre elas: 

 

Tá certo, a profissão do Jornalista ficou mais duvidosa. Qualquer um pode ser jornalista e brigar por uma vaga com um recém-formado. Mas o mercado vai ser seletivo sempre - ainda mais agora, que qualquer um pode ser encarado como profissional do meio.

 

Quem contrata no Jornalismo ainda é - e acho que ainda será por um tempo - um Jornalista. Ao menos no bom Jornalismo ainda é assim. E as pessoas que cursam a faculdade precisam se formar pra trabalhar no Jornalismo bacana, e não no Jornalismo picareta.

 

O cara que contrata no bom veículo vai selecionar sua equipe não pela história de vida ou rostinho bonito de cada figura. Mas pela qualidade do texto, pela vontade de apurar, pelo poder de síntese e comunicação e, acima de tudo, qualificação. Logo, os formandos em Jornalismo ainda serão mais visados.

 

Fora que, com esse novo panorama da nossa profissão, os cursos de Comunicação Social precisam melhorar muito. Qto mais Jornalistas formados de verdade as Universidades emplacarem no mercado de trabalho, melhor para as tais Universidades. Portanto, acho que os cursos vão se aprimorar com essa nova realidade. Ninguém quer perder alunos e fechar as portas, vcs concordam? E essa insegurança que a galera tem, a ponto de me escrever tantos e-mails, é a mesma que muita gente tem tbm e que já chegou às instituições de ensino superior através de diversos questionamentos. Essas instituições vão brigar muito pra não perder alunos e para não deixar esse desestímulo ser maior que a vontade de cada um em aprender e, consequentemente, criar/ fazer depois.   

 

Finalmente, galera... e especialmente vcs, Lígia e Letícia... façam a faculdade de Jornalismo. Ousem, pirem, trabalhem, escrevam. E me contem daqui a alguns anos como foi a experiência.

 

Vcs verão como o Jornalismo ainda é apaixonante se for feito com verdade e vontade. Se ele for de coração, pq tá sangue de vcs e no desejo verdadeiro de ser profissional, vcs serão Jornalistas. E não tem decreto, lei, chatice ou discurso que tire isso de cada uma se isso de fato for seu.

 

Um abraço!

 

Rafa Cortez 

Por Rafael Cortez às 14h42

Sobre o autor

Rafael Cortez, 33 anos, ator, jornalista e violonista.

Já foi redator de texto erótico para celular, produtor de teatro, circo e TV, assessor parlamentar de uma vereadora de São Paulo, atendente de videolocadora, organizador de mais de 60 festinhas infantis e tem DRT de Palhaço. Gosta de Nara Leão, Public Enemy, lasanha e que cocem suas costas com as unhas. Está na TV como um dos repórteres do programa CQC, da Tv Bandeirantes.

Sobre o blog

Espaço para textos reflexivos, ácidos e que busquem alguma inteligência. Local para reflexões artísticas e culturais diversas. Não, aqui você não encontrará fofocas sobre o meio das celebridades. Não, aqui você não verá piadas a todo tempo... Mas se o autor se esforçar, você poderá ler alguma coisa boa. E contribuir comentando com algo melhor...

Histórico