Blog do Rafael Cortez

10/06/2010

Direto da África - parte 04

Como diria o Bial, "salve, salve navegantes!" Era isso mesmo que ele dizia? Não lembro, nunca assisti aquela coisa que ele apresenta no verão.

Dei uma sumida breve pq os ritmos aqui começaram a se intensificar. Tudo indica que, com o início da Copa hj, quinta-feira, infelizmente os contatos virtuais
passem a ficar mais esporádicos, uma vez que teremos mais trabalho ainda pela frente e menos tempo livre para escrita, leitura e um sono que nunca vem.

Sim, ainda não durmo. Que mistério. Quem aqui já assistiu "Espíritos, a Morte Está a Seu Lado"? Calma, leiam antes. No filme, o protagonista passa dias e
dias se queixando de uma dor nas costas, um troço incômodo nos ombros... ao longo do filme, descobrimos que ele havia atrolepado e matado uma mulher no
passado... e, através de uma série de fotos, negativos, etc, revela-se que, na verdade, a tal dor que ele sentia era a japa (sim, o filme é japoronga) que
ele assassinou... montada, eternamente, com seu espírito, sobre seus ombros! Uau!

Fiz o paralelo com o filme não pq ache que estou possuído, etc. Tampouco, apesar de espírita, sou um cara médium, sensitivo, essas coisas. Mas fico me
perguntando, caso eu faça umas fotos aleatoriamente aqui no apê em que estou, se nas revelações de cada uma pode aparecer um africano ou uma japa no meu
quarto, me olhando... pedindo logo que eu vá embora de sua morada perpétua! Olha, às vezes eu de fato me pergunto se pode haver alguma coisa no meu quarto...
qdo estou na rua gravando e a noite vem, fico feliz que tenho sono e que, em questão de horas ou minutos, dormirei o sono dos justos. Mas é só deitar na
minha cama que o coração dispara e eu fico mais arregalado que a Vera Loiola depois da última plástica. Africano e japa, ou seja lá quem ou o que: me deixem
dormir!!!

É incrível, no entanto, como o corpo humano é inteligente e funcional. Todos os exercícios físicos que passei a fazer de fevereiro até início de junho, qdo
vim para cá, estabeleceram um padrão de resistência em mim que eu mesmo desconhecia. Apesar de não dormir nada nas últimas noites, meu cansaço não é
denunciado nas minhas matérias das manhãs e tardes seguintes, assim como não me vejo como um zumbi ao lado da equipe. Pelo contrário, sigo com a mesma
disposição que eles que, sortudos, dormiram bem cada noite. Para mim, isso - e o fato de ainda não ter tido uma gripe sequer em 2010 - só revela que estou
em pleno vigor, que minha saúde tá bem boa - por enquanto...

Outra coisa sensacional do corpo humano é a nossa chamada "reserva de energia". Meu corpo entende que não tenho recuperado as forças no sono trivial, de
modo que ele explora ao máximo tudo que eu tenho de nutrientes e forças dentro de mim. Logo, por mais que eu coma um T-Bone Steak de 400g, duvido que ele
possa me engordar tanto agora: tudo que ele manda pra mim é aproveitado ao máximo! Foi pensando assim que mandei pra dentro, na tarde de hj, um Big Mac,
um Mc Deluxe duplo, batata-frita e uma Coca de 500 ml. E espero mesmo que isso seja queimado pelo meu organismo, não evidenciando ainda mais as gorduras do
meu corpo de mais de três décadas que, pro meu azar, não é igual ao do Cristiano Ronaldo (tudo bem, ele faz 3 mil abdominais por dia, eu não...).  

Bom, mas falemos de Copa. Ontem o dia amanheceu barulhento por aqui. Foi meio irritante o dia começar com barulhos, uma vez que a noite inteira aqui já é
bem sonora! - vcs não sabem como respira e ronca o querido Daniel Cronfli, tampouco fazem idéia do que é o barulhão que nosso câmera Tutu faz qdo dorme. Por
sorte, ele está no apê do Felipe, dormindo com o Max. Menos mal. Mas voltando, ontem o dia começou enlouquecedor! A torcida Sul-Africana foi em peso à porta
do hotel de sua seleção (a Bafana - Bafana, como é chamada na região) para lhes encorajar e desejar muita sorte nessa Copa! Foi uma tremenda algazarra nas
ruas, uma festa irada de verdade, com negros e brancos em sintonia por todo canto, batucando, cantando, dando risada e causando em qualquer canto dos
arredores do nosso hotel.

Vendo a disposição do povo africano por aqui, me dou conta que nunca vi um pessoal tão feliz, agitado e receptivo. O tesão dos caras é contagiante, assim
como a simpatia de cada um deles. Todos, sem exceção, sorriem para vc, turista, e perguntam como vc está se sentindo hj, de onde é e o que está achando da
África do Sul. É lógico que, assim, as respostas são sempre as melhores possíveis.

Gosto muito do modo como os sul-africanos dançam. É uma coisa muito rítmica, assim como a música, que é bem marcada e tropical. Mas o gingado dos caras no
ato de dançar é demais; eles mexem o corpo inteiro e tem um molejo de dar inveja à Beyoncé! E acho as canções de galera muito bonitas. Não entendo uma única
palavra do que cantam em seus idiomas locais, mas é forte, extremamente bem resolvida do ponto de vista melódico e, o que é melhor ainda, todo mundo é muito
afinado. Aliás, nesse sentido os negros sempre deram um baile nos brancos, em todo o planeta Terra, e desde sempre. Musicalmente, eles são vigorosos, geniais
e superiores: tocam, compõem e cantam maravilhosamente. É apenas uma das coisas que fazem tão bem e que os qualifica como pessoas incríveis e sensacionais.
Eu nunca entendi pq existe o racismo. Nunca.

Gravamos coisas engraçadas no meio dessa festa ontem. Paralelamente, fizemos boas fotos e travamos grandes contatos. Foi engraçado até, na manhã de ontem
uma garota bem bonitinha me paquerou e veio falar comigo. Como estamos num grupo de seis homens, ficamos sacaneando uns aos outros aqui para ver quem chama
mais a atenção e recebe mais olhares, etc. Nenhum de nós se engraçou com ninguém, uma vez que quase todos estamos praticamente casados no Brasil com nossas
mulheres ou, como diria o Pedrinho Pederneiras, nosso câmera, ´"já temos bem guardadas as nossas gavetas". Quem quiser acreditar na frase anterior, fique à
vontade! Haha! Mas voltando, a garota me olhou, veio falar comigo e eu já comecei a me exibir pra turma do CQC: quem é o Golfinho agora, hein? Quem que vcs
ficam sacaneando com esse lance de armário mesmo, hein? Bom, não deu 5 minutos e ela me deu um cartão - disse que, se eu quisesse muita diversão, era para
ligar para ela. Ou seja, era puta. Aí não vale, né? Fui bem sacaneado, de novo.

Por falar em sacanagem, o clima aqui entre nós seis remete a uma Quinta Série só de meninos. Incrível como nós, homens, conseguimos ser babacas e guturais
qdo estamos em bando, sem mulher. Qdo estamos todos reunidos em um só apê, é impressionante a quantidade de palavrões, bobagens, sacanagens, porradinhas,
piadas e idiotices que fazemos uns com os outros. Isso sem falar no festival de arrotos e peidos, mas juro que disso eu nunca participo. Sou um lorde inglês.

Em três anos de CQC, estabelecemos uma série de piadas internas que só tem sentido para nós e que são muito engraçadas. Eu sou o Flavour, tem os Pederneiras,
se alguém se dá muito bem em cima do outro rola o Smuggie (não me perguntem o que é), a todo tempo tem o "vc quer confusão?", o Cristo Redendor (tbm não sei  
explicar), o papo do "o Brasil quis assim" e por aí vai. São essas coisas que fazem a conviência ser engraçada e mais divertida do que exaustiva, ainda que
tenhamos estabelecido algumas panelinhas e algumas preferências.

Mas conviver é uma arte, não? Invejo casais que estão há décadas juntos, intensamente. Como meus avós paternos, que completaram Bodas de Ouro com festão e
tudo. Conviver é saber ouvir, ceder muito, impôr alguma coisa, equilibrar. Aqui temos de pensar muito nesse quesito o tempo todo, ainda que eu esteja 100%
convencido de que alguns do grupo não saibam fazer isso nem um pouco. Mas a vida segue, e a Copa vem aí.

E falando nela, amanhã rola o primeiro jogo. E é com a Africa do Sul. Os caras tão radiantes, e eu e minha equipe vamos fazer a cobertura da partida de um
modo diferente, que me agrada mais. Se eu fosse vcs, não perderia por nada o próximo CQC! Aliás, o próximo CQC é o de número 100... e tem muita coisa bem
boa e engraçada à vista, incluindo a volta de um hit do programa. Quem viver, verá!

Até o próximo relato... tá bem legal escrever aqui, tô feliz com isso. Tão gostando?

Um abraço,

Rafa

Por Rafael Cortez às 15h44

08/06/2010

Direto da África - parte 03

Opa!!

Acabei de escrever esse texto... taí, em tempo real!

Bom proveito...

Madrugada de quarta-feira, 09 de junho, 02:26:

Salve, galera. Continuo aqui, Rafa Cortez, 33 anos e, até esse mês, sem nenhuma Copa no currículo de Jornalista. Aí, veio o ano de 2010 e essa grande
novidade de cobrir um evento desse porte para um programa como o CQC. Que responsa...

As ruas de Joanesburgo já estão muito mais com a cara da Copa. Os torcedores estão chegando aos montes, cada vez mais. Hoje, nós seis do CQC saímos para um
almoço na Mandela Square. É uma espécie de shopping da cidade, bem localizado, cercado de um grande complexo de prédios industriais e com um centro
financeiro muito ativo e badalado. Em outras palavras, aqui em Joanesburgo o Mandela Square é o point. Todo mundo vai para lá, e é a estátua de 04 metros de
altura do Nelson Mandela que acompanha a agitação das pessoas na praça principal - ali elas bebem, almoçam, tomam café, sentam a esmo na escadaria, dão
voltas com a família ou simplesmente ficam de papo pro ar, que é o melhor a se fazer mesmo.

Fui muitas vezes ao Mandela Square em novembro do ano passado, quando estive aqui para fazer o Sorteio das Chaves, com o Felipe. Era nítida que a
concentração das pessoas se dava por ali mesmo, mas nada comparado com o que a gente viu hj. À medida que torcedores do mundo inteiro chegam aqui, é para 
esse local que todo mundo vai com suas vuvuzelas, bandeiras, gritos de guerra e cantorias animadas. E olha, tem galera de todo lugar do planeta... não só dos
países classificados para o evento, mas tbm de países que nem entraram, mas que tão no oba-oba por farra ou apoio moral. Jovens do México tentam fazer mais
barulho que os americanos, ao passo que os argentinos se aglomeram em torno dos ingleses para uma rixa bem animada de batucadas... enquanto isso, a tribo 
brasuca (nosso pessoal tupiniquim) veio com tudo com a chamada (segundo seus organizadores, uns jovens gente-boa que vieram no vôo comigo)"Torcida Organizada
Brasileira" - a primeira torcida desse gênero em termos de Seleção. Os caras são divertidos e cantam o dia todo uma série de músicas fáceis com letras que
enaltecem do Pelé à Seleção de 94, passando pelo Tricampeonato histórico e o discutido e sizudo Dunga. O engraçado é que as melodias são as mesmas de
clássicos da música italiana como "Volare", ou pérolas do repertório brasileiro popular como "Pelados em Santos", dos Mamonas Assassinas.   

Sem um jogo rolando, tudo que qualquer torcedor mais animado quer, na hora de fazer barulho, é uma boa platéia. Isso não falta por aqui. Várias equipes de
TV de vários países ficam registrando o passo a passo da algazarra desses caras. São jornalistas do mundo inteiro, mas é óbvio que os mais curiosos são os
japoneses, como sempre. Paralelo à imprensa, mas não menos ativo do que ela, está o próprio povo da África do Sul: os negros africanos (só eles, lembrem que
os brancos daqui não curtem futebol, só o rugbie) se juntam a qualquer torcida mais animada, independente de terem sua própria ou não, para fazer coro nas
músicas e mandar ver nos instrumentos musicais. É bem legal de ver, e em pouco tempo vc está contagiado com tudo (mas não a ponto de cantar com os
argentinos, ok?). E tudo é assistido por americanas ricas, seguranças pobres do Soweto fazendo um bico no evento, indianos recém saídos de "Caminho das
Índias", mulheres de burca, holandeses gordos, escoceses de saia, colombianos clones do Evo Morales e todo tipo de gente de todo tipo de lugar do planeta.
Ou seja, é uma tremenda salada cultural!

O mais excitante aqui, a cada dia, é notar como vai se construindo mais e mais o clima da Copa. Essa Joanesburgo era uma quando cheguei na quinta passada, e
hj era completamente outra! E ainda temos 03 dias para o início da Copa, de modo que serão mais 03 dias de crescimento da agitação nas ruas, do corre-corre
nos hotéis, dos encontros engraçados e bizarros nas lojas (cruzamos o Beckenbauer e a Martinália quase ao mesmo tempo ontem), do aumento do trânsito (...) e
da demora nos restaurantes, da proliferação de tipos bizarros/ peculiares nas ruas, etc, etc. É óbvio que dá vontade de gravar tudo e todos a todo tempo, mas
temos tanta coisa pra cobrir (e não necessariamente muito tempo pra veicular) que temos de ser seletivos. Mas quem assistir ao CQC durante essa Copa vai
ver muita coisa boa e engraçada daqui, acreditem.

No mais, respondendo à pergunta de, talvez, muita gente que tem lido esse Diário de Bordo: o sono não veio ainda.

Já entendi o que está acontecendo comigo. Eu não tenho nenhuma válvula de escape para as químicas que meu corpo produz ao longo de um dia tão repleto de
estímulos. Minhas experiências no CQC fazem com que minha adrenalina suba a mil... que minha endorfina bombe... que minha cabeça não desligue um minuto
sequer quando preciso memorizar bem como fazer uma pergunta numa coletiva de imprensa... que eu seja o cara mais corajoso e cara de pau ao tentar furar um
cerco de segurança... e por aí vai. No decorrer do meu trabalho, somatizo corporalmente diversas energias e químicas que, em algum momento do dia, preciso
jogar fora, ou podem me fazer mal. E vcs pensam que eu libero tudo isso fumando um ou enchendo a cara? Aí é que se eganam, eu sou super careta... extravaso
tudo fazendo o que mais gosto em SP, que é tocar violão, sair para jantar com amigos seletos, tomar um goró vez ou outra, raramento fazer uns filhos por aí 
(haha!) e, acima de tudo ultimamente, correr de 03 a 06 km pelo meu bairro ou, como diz o Tony Kanaan, "maltratar o corpo" na academia.

Pois bem, salvo jantar com amigos e tomar uma cerveja ou duas, não estou fazendo nenhuma dessas outras coisas aqui. Nossa estrutura nessa cidade não permite
grandes fugas, de modo que todos os estímulos que viram energia pura no meu corpo ainda estão comigo. Somando a ansiedade de sempre (e eu sou um puta cara
ansioso) e a cabeça que não larga São Paulo, tenho no meu corpo um combinado de bombas prestes a explodir... e nada dessa energia ser extravasada!

Hj conversei bastante com pessoas que me ajudaram muito a entender essa insônia, e fiquei mais calmo. Não sou muito a favor, mas caso não durma hj de novo,
creio que tomarei um anciolítico amanhã. Não gosto de nenhuma interferência química no meu corpo, mas nesse caso (que é específico e breve), terei de lidar
quimicamente com químicas que tão em mim me enchendo o saco. Em outras palavras, a partir de amanhã passarei a ir para a cama... bêbado, todas as noites!
Haha!

É isso, minha gente...

Acho que amanhã tem mais... continuem nesse blog lendo sobre a Copa: não tem nada de futebol, como nos outros, mas tem muito material humano e muitas
primeiras impressões. Prefiro assim, e acho que dessa forma me expresso melhor.

Um abraço,

Rafa

Por Rafael Cortez às 21h27

Direto da África - parte 02

 

Texto escrito ontem, 07 de junho, por volta das 20hs - horário local.

 

MAIS UM RELATO AFRICANO, DIRETO DE JOANESBURGO

 

Continuo aqui, nessa jornada africana. Hj é segunda, dia 07 de junho. Inacreditavelmente, é o quinta dia. Cinco dias se passaram relativamente rápido, ainda
que eu tenha a plena noção de cada uma das horas já vividas, ou quase todas ao menos. Isso se deve ao fato de que, infelizmente, eu não estou dormindo. E não
é pq tenho tido trabalho demais, a jornada dura me impede, etc. O trampo é o de praxe em termos de CQC na gringa, ou seja, é intenso. Mas o que pega para eu
não estar dormindo até agora é que eu simplesmente não estou conseguindo!

As três noites já vividas até aqui foram pavorosas! No começo, acreditei piamente que a culpa era do Cronfli, produtor do CQC com quem estou dividindo um
quarto. Seus ronronares e roncos esporádicos estavam tirando demais a minha concentração em relaxar e mandar a natureza fazer o resto. Passei a tentar dormir
em horários alternativos ao dele, um pouco antes, quase sempre. Mas era ele chegar e lá se ia o sossego...mas, por falar em sossego, não é que antes dele vir
eu estava relaxadão e ele me acordava... na real, e isso eu passei a perceber na noite passada, é que eu não estou conseguindo dormir de modo algum: com ou
sem roncador do lado, sozinho ou não no quarto, com colchão na sala, de espuma anti-ruído ou sem no ouvido, com ou sem tapa-olho, e por aí vai...

Isso se explica facilmente: olhem para mim, estou numa Copa do Mundo de Futebol... e por 36 dias! Em outro país, em outro Continente! É o maior evento do
planeta, e só ocorre de 04 em 04 anos! Isso já é um bocado excitante, ainda mais se reforçarmos o fato de que é por mais de um mês... isso dá "um tilte" na
cabeça, vc  passa a pensar na sua casa, nas coisas que ainda tem que resolver qdo voltar, naquilo que deixou pendente e não pode ser mexido antes desse prazo
,na mulher que tá longe, na comodidade do seu mundo, nas coisas que ficaram e fazem falta, etc... Inclusive, é num lugar como esse e sem os deleites da nossa
estrutura brasileira que nos damos conta de como somos felizes e não sabemos.

Tem outra coisa além da cabeça que insiste em ficar em São Paulo e te impede de relaxar, e essa é a mais importante: a tremenda ADRENALINA que corre na veia
o dia inteiro, aquela expectativa tremenda, o desejo de que o outro dia chegue logo para vermos como será esse e aquele evento, essa e aquela pauta
decorrente, etc. Ainda que vc não seja um fã ardoroso do futebol (me encaixo nessa exceção brasileira), não tem como essa energia não mexer com vc. Acredito
muito nesse lance dela, pra caramba. E aqui em Johannesburgo sinto uma vibração forte à beça, um pique enorme no ar, um tesão daqueles... e isso que nem
começou a Copa ainda!

A cada saída que damos e trombamos com os torcedores que começam a chegar e fazer sua farra, bem como as estruturas montadas para um monte de jogos e festas,
a ficha cai mais e mais. Isso tudo já descrito, somado ao fato de que nos cobramos demais para fazer bem nosso trabalho, deixam o corpo de um cara menos
experiente nessas aventuras (e mais sensível que o normal), doido à beça. Aí chega a noite, vc vai pra merecida cama, seu corpo pede um merecido sono, e ele
não aparece. E eu ainda não sei como reverter isso, do mesmo modo que tbm não lembro de ter passado por uma coisa tão desesperadora fisicamente como essa...

Hj bolei uma série de estratégias para me acalmar um pouco mais. Como essa parada que estou vivendo não é de praxe, a primeira coisa a fazer é tentar sacar
que trata-se de um lance esporádico e com data e hora para acabar. Eu não sou o cara dos melhores sonos do planeta, mas tbm não sou dos que tem um problema
como esse. É um lance daqui, de estar aqui. Daqui a pouco acaba. À essa consciência, bate uma outra: tenho que resolver isso, poxa. Preciso dormir para
estar bem para meu novo trampo do dia seguinte... e é por isso que hoje estou aqui no quarto, esperando para fazer o link ao vivo do CQC dentro de umas
horas, mas já cercado de um suco de maracujá, um ipod calibrado de Nara, e meus indefectíveis tapa-olho e espuminha anti-Cronfli! E espero que resolva!

Paralelo a esse problema do sono, a viagem transcorre a seu modo. Já fiz duas pautas e bebi um pouquinho da prática do evento... fiz o receptivo aos gringos
e brazucas no aeroporto e fui ao treino dos hermanos argentinos. Quando esse texto for publicado, acho que vcs já devem ter visto essas duas reportagens no
ar - e espero que tenham curtido!

Aquele clima meio inseguro e tenso que descrevi no texto anterior, vai cada vez mais dando lugar a uma confiança na desenvoltura do povo africano - é essa
gente, com seu humor maravilhoso e a receptividade fora do comum, que faz com que os já citados agravantes da pobreza, falta de infra-estrutura e furtos,
passem a ficar mais em segundo plano.

De fato, as pessoas aqui são maravilhosas. Elas parecem bem felizes em nos receber. Nem parecem acreditar que gente do mundo inteiro virá lhes visitar em
casa, e que os limites geográficos ficarão muito menores em questão de dias. O bacana da galera local, é que há todo esse carinho no trato diário e, tbm,
uma enorme curiosidade com os visitantes. Eu não lembro de ter conhecido um povo mais curioso do que esse aqui na África. O tempo todo, as pessoas querem
saber quem é vc, o que vc faz, se está gostando, o que tem achado, etc. Qdo estamos gravando, não raro as pessoas nos pedem para serem filmadas.E, se estamos
de posse de nossas câmeras fotográficas na mão, é bem comum que nos peçam para que tiremos fotos delas, e não com elas. Qdo dizemos que essas fotos vão para
o Brasil, vcs precisam ver as caras que fazem! É bem legal.

Antes de prosseguir, só um parânteses: considero minha análise das pessoas aqui bem condizente com a minha cultura de viagens e consequente noção de culturas
e povos: bem rasa. É claro que o aspecto da receptividade e curiosidade são preliminares, e estão como um cartão de visita muito mais elaborado de um povo 
que transcende meu descritivo ingênuo e romanceado. O povo de Johannesburgo é bem dividido entre brancos e negros e ricos e pobres. Os brancos tem
ascendência inglesa e são a elite, ao passo que os negros são genuínos africanos, falam os diversos dialetos locais e, em sua maioria, vivem longe das
delícias burguesas. A questão do Aparthaide aqui ainda pega, e nota-se, sim, um racismo no ar - e de ambas partes. O que é uma grande pena e um enorme
problema nesse país com tanta coisa boa e gente encantadora.

Nossos dias estão amarrados na espera do início da Copa. Todos aqui estão fazendo a contagem regressiva para que os jogos se iniciem. Nesse sentido, nós do
CQC temos ido a treinos de seleções rivais e dos meninos do Dunga, enquanto cobrimos, tbm, coletivas, chegadas, eventos, preparativos, etc. Ou seja, tudo que
espero que vcs estejam vendo aí no Brasil pela TV.

Comemos, em geral, uma boa refeição ao dia. Acordamos e preparamos um café nos apês mesmo. Fizemos compras nessa segunda e os dois lares do CQC
estão bem abastecidos. Cada um aqui vai ganhar uns dois quilos, pelo menos, só de bobagens que botamos pra dentro... a refeição da tarde, até hj nas duas
equipes, tem sido uma rápida passagem pelo Drive-Thru do Mcdonald´s, e isso qdo dá. Mas de noite, ao menos por enquanto, todos nos reunimos depois das
jornadas de trabalho e jantamos muito bem. A moeda local é bem desvalorizada em relação ao dólar e ao real, o que nos permite comer e beber coisas muito boas
que evitaríamos em nosso país por seus preços exorbitantes. Tudo muito gostoso.

O convívio na equipe é intenso, e administrá-lo é uma arte. Por sorte, aqui estão reunidas pessoas do CQC que, em sua maioria, trabalham muito bem juntas e
tem boas relações umas com as outras. Mas é claro que às vezes dá um desespero olhar pro lado e sacar que o brother vai ficar na sua cola por mais um mês
ainda, assim como há momentos onde o mau humor reina e todos ficam meio de saco cheio uns dos outros. Mas essa turma toda aqui é muito profissional e sabe
que não estamos na África pra nos divertir, e sim para fazer um puta trabalho insano e bom.

Escrever tem sido um alívio e um ótimo exercício para a cabeça. O fato de estar sem TV (tem uma aqui, mas não conecta nenhum canal bom) e quase sempre sem a
internet (ainda aquele lance de que só rola via conexão 3 G, e nem todos tem ou funciona), me faz voltar a amar a escrita e esse teclado. Impressionante como
nossa vidinha administrada nos emburrece... nossos refúgios são comidas e entretenimentos baratos, como os programas de auditório e o Twitter e o site do
Youtube, entre outros. Qdo vc estrutura sua existência de lazer e prazer, quase sempre vc o faz lincando tudo com a TV e o computador. E vão-se embora as
horas de leitura e escrita espontânea como essa... uma pena, não?

Bem, agora que não posso ficar navegando a esmo na net e nem ver meus episódios prediletos de Seinfeld no DVD, vou me aproximar mais e mais desse
"Diário de Bordo" e dos livros que eu trouxe. Tem um Nabokov esperando para ser lido hj caso o sono, mais uma vez, insista em não me procurar.

Mas sono... hj vc virá, não é?

Abraço a todos e todas, até o próximo relato!

Rafa    
  
               

           

Por Rafael Cortez às 10h10

07/06/2010

Direto da África - parte 01

Fala galera...

Ao vir aqui para a Africa, pensei em fazer um diário on line sobre tudo aqui... com isso, atualizaria os leitores desse blog do que tá pegando por aqui... e ainda poderia extravasar as idéias com uma série de relatos, preferecialmente diários..

Mas eu não contava com a carga pesada de trampos e a péssima net que temos. Só estou conseguindo publicar o primeiro texto hj, dia 07 de junho, com três dias de atraso. Ainda hj escrevo algo novo e publico pra vcs amanhã, caso o Andreolli continue gente-boa emprestando sua conexão 3 G!

Um abraço,

Rafa

(a propósito, hj, dia 07 de junho, completam-se 21 de falecimento da Nara Leão. Espero que cada um aqui ouça ao menos uma música dela, em sua especial homenagem).    

RELATO 01 - JOHANNESBURGO - 04-06-10

A idéia é fazer uma espécie de "Diário de Bordo" dessa viagem africana. Já que ficarei aqui por, a princípio,
36 dias, vou tentar relatar - na medida do possível, de acordo com as pausas na nossa agenda de trabalho - minhas
impressões dessa terra e o resultado de tantos encontros (e desencontros) culturais.

Adianto que aqueles que passarem a ler meu blog em busca de fofocas sobre o CQC, o que estamos gravando, o que
pensamos, etc, irão se frustrar. Minha meta não é revelar nossos trunfos, idéias e ações. Nem poderia; muitas vezes
trabalhamos exclusivamente em sigilo... ou algumas piadas e iniciativas perderiam a força. Em resumo, falarei pouco
de CQC aqui. Ficarei focado na experiência de morar mais de um mês em outro país, ok?

Chegamos hoje, sexta, por volta das 7:30 - o que seria 01:30 aí para vcs no Brasil. Foi uma viagem dura, e me dei
conta que a South Africa é uma das piores parceiras pra te levar pra voar nesse mundo. Os comissários de bordo estão
longe da simpatia. Os assentos são bem apertados e o conforto é coisa rara. Mas o pior é sair e entrar do avião
passando pela Primeira Classe... e ver os sortudos já refestelados em suas poltronas tomando champanhe enquanto vc
ainda procura seu assento da Classe Econômica - e esses mesmos sortudos deixam vestígios da farra luxuosa observados
nos cobertores felpudos e travesseiros macios que vc tenta tocar, sem sucesso, antes de descer da aeronave. Em
resumo, passando pelos ricos que viajam de Executiva eu sempre me sinto "um dálite"! E sempre prometo: VINGANÇA!!

No meu vôo estava metade do elenco esportivo da Band. Acredito que a outra metade já estava aqui antes, como é o
caso do Felipe Andreoli. Bom, o fato é que toda essa turma teve que ficar umas três horas no aeroporto esperando
completar todo mundo e chegar um tripé que, misteriosamente, se extraviou. Mas a espera no saguão de desembarque
nem foi um problema - o aeroporto estava entupido de torcedores mega-animados chegando com tudo. E acreditem,
nenhuma trupe era tão eufórica como a dos brasileiros! Um monte de japas tirou fotos da galera com aquelas malditas
vuvuzelas (acho que odeio desde já essa corneta dos infernos!) e uma soma de hinos improvisados da Copa. Foi
divertido.

Todos nós da Band entramos num ônibus fretado e fomos fazer nosso credenciamento (e vcs não sabem como o Neto,
comentarista esportivo da emissora, é engracado dentro de um ônibus cheio... parece que tá numa excursão escolar!).
O melhor é que o posto de imprensa foi armado do lado do Soccer City. O mega estádio tá finalizado (o conhecemos em
obras, Felipe e eu) e lindo!

Pouco depois, finalmente chegamos no hotel - e é daqui que escrevo agora.   

Confesso que não estou me sentindo muito bem aqui hoje. Como não dormi um minuto sequer no vôo, cheguei exausto,
mas com o fuso desajustado. A um só tempo me sinto bem cansado, mas ao mesmo tempo bem ansioso com tudo que tenho
de fazer e experimentar. Tentei dormir um pouco durante a tarde, mas descobri que o Cronfli, produtor do CQC que
ficará comigo, ronca pra dedéu. Saí meio desesperado do nosso quarto, que é bem pequeno, e fui conhecer mais os
caras que dividem o apê conosco (no nosso caso, são 04 caras por apartamento, não necessariamente da mesma equipe).
Os manos do Band Sport sao gente fina, e conversei um pouco com eles sobre infra-estrutura nesses quase 40 dias...
e fiquei um pouco mais agoniado.

Parece que a África não está conseguindo comportar muito bem todo esse contingente de devoradores de comida, bens de
consumo, informação e transporte, entre outras coisas. Um reflexo disso é: internet por aqui é uma coisa complicada.
Os quartos estão todos sem conexão, e a saída é comprar um acesso 3G deveras caro... além disso, o trânsito tá foda,
assim como uma série de coisas básicas, como adquirir uns produtos fundamentais nos supermercados. Nosso câmera
Tutu ainda não sabe, mas não tem cerveja à venda perto do hotel. Simplesmente acabou e não há reposição... e acho
que essa tragédia vai mexer demais com o coração dele!

O quesito segurança tá problemático aqui tbm... ouvimos diversos relatos de assaltos por aqui e pequenos furtos até
mesmo dentro do hotel. Em todo lugar por onde andamos hj, a sensação é a de que está rolando uma mega festa no país,
mas só esqueceram de convidar o povão. E esse povão tá pedindo grana em troca de ajudas com as malas e um pouco de
comida no estacionamento do Mcdonald´s.                    
 
Serão 36 dias por aqui. O Felipe ainda fica mais e chegou antes, coitado. Não faço nenhuma idéia do que me espera
nessa temporada, mas estou torcendo para me animar mais do que hj. De fato, se tiver de me definir nesse momento,
eu diria que estou bem preocupado. A síntese do nosso trabalho no CQC sempre foi o imprevisível, mas até mesmo para
o imprevisível é preciso que haja mais qualidade e segurança. Isso deve existir aqui, é óbvio, mas eu é que estou
cansado e desencontrado demais para perceber tudo de bom que ainda há de surgir nessa viagem.

Continuo achando que vai ser do caralho!

Até um novo relato... um abraço,

Rafa

Por Rafael Cortez às 15h01

Sobre o autor

Rafael Cortez, 33 anos, ator, jornalista e violonista.

Já foi redator de texto erótico para celular, produtor de teatro, circo e TV, assessor parlamentar de uma vereadora de São Paulo, atendente de videolocadora, organizador de mais de 60 festinhas infantis e tem DRT de Palhaço. Gosta de Nara Leão, Public Enemy, lasanha e que cocem suas costas com as unhas. Está na TV como um dos repórteres do programa CQC, da Tv Bandeirantes.

Sobre o blog

Espaço para textos reflexivos, ácidos e que busquem alguma inteligência. Local para reflexões artísticas e culturais diversas. Não, aqui você não encontrará fofocas sobre o meio das celebridades. Não, aqui você não verá piadas a todo tempo... Mas se o autor se esforçar, você poderá ler alguma coisa boa. E contribuir comentando com algo melhor...

Histórico