Blog do Rafael Cortez

24/06/2010

O que diria um heterônimo de Fernando Pessoa se soubesse que Portugal joga contra o Brasil no dia 25 de junho de 2010:

Se tens a tua frente a disputa

Como queres que tenha, da luta

A resposta mais justa

Se sois quem até hj lucra?

 

Tivestes o ouro e as índias

Ah, Portugal! Tu tens ainda

As caravelas mais lindas

Da Colonização infinda

 

Se em troca de espelhos levaste ouro

Se roubaste de outra pátria seu maior tesouro

Não pensas que seria um mal-agouro

Querer a vitória no jogo?

 

Cede a teu oponente chato! 

Ceder à vitória compensa

O mal que fizeste a uma pátria imensa 

Levando a prata que roubaste num ato!  

Por Rafael Cortez às 21h55

23/06/2010

Direto da África - parte 08 OU Comida

Olha eu aqui de novo... os contatos estão condizentes com o volume de trabalho: à medida que gravo mais, escrevo menos. E com a Primeira Fase da Copa
acabando, e as Oitavas já iniciando, trabalho aqui é o que não tem faltado.

Longe de reclamar; gravar ajuda a deixar a cabeça quente e ocupada. E eu ainda amo fazer o CQC, de modo que não me incomodo em trabalhar - desde que o
material fique à altura dos investimentos, e que todos estejam dispostos. E isso quase sempre acontece, o que é muito bom.

É óbvio que estou cansado. Como já disse aqui, a infra-estrutura não é das melhores, e a privação de certos confortos dá uma brochada. Dividir quarto, qdo
vc mora praticamente sozinho e está acostumado com isso, é um troço que exige paciência e dedicação. Nesse sentido, até que me dei bem: o Cronfli, nosso
produtor que está comigo, é um cara competente e ótimo colega. Ainda que dê suas roncadas e tenha seus tempos e estilo, não merece grandes reprimendas: ele é alto-astral, criativo, empenhado e provou, mais de uma vez, ser um dos grandes produtores do CQC. Passamos por algo aqui que dependeu muito de seu jogo de cintura, e ele teve bastante disso.

No entanto, imagine a convivência, todos os dias, de seis caras hiper-ativos e envolvidos do CQC. A isso, some a cobrança que há em cima da gente e todas
particularidades envolvidas: o tempo de cada um, a saudade de não sei quem de cada, o jeito, as manias, as particularidades... não é fácil. A vcs, público,
só chegam as coisas prontas e mastigadas. O filé das nossas matérias. Muitas vezes, muita gente me escreve dizendo que somos uns tremendos privilegiados por fazer o programa e por podermos viver situações como essa da Copa. Vcs estão certos, muitas vezes nós somos mesmo. O programa é do caralho, e tem muita gente envolvida full-time em fazer com que ele seja. Mas não existem críticos mais vorazes do CQC do que os próprios integrantes do CQC - da bancada ao assistente de câmera, passando pelo porteiro da nossa produtora e a diretoria da Band. Logo, nossa vida tem diversões e possibilidades, mas tbm não é nada fácil...  ainda que, insisto, estar num job desses seja sempre sensacional.

Já se passaram 21 dias! E qta coisa rolou nesse tempo todo... aqui na África, estamos muito felizes com o resultado das matérias que vcs assistem. É bem
difícil não poder ver o programa ao vivo, ainda que estejamos nos links a cada exibição. É tbm muito difícil esperar baixar cada uma das matérias no dia
seguinte no Youtube. Nossa conexão é lenta, e nem sempre tudo que fizemos está imediatamente nesse site no day-after, bem como as matérias que sempre
queremos ver do Oscar, Danilo e Mônica, ou o Top Five, e o Povo Quer Saber e tudo mais que rola sempre. Nesse caso, eu sempre conto com os blogs e sites dos fãs do CQC, que tem tudo e são rápidos nas atualizações. Destaque para o "CQC in LOve" da grande Sylvia Bonte Pires, que sempre tem TUDO do programa e noticia, em primeira mão, toda e qualquer coisa envolvendo o programa e seus integrantes. Muitas vezes, é lá que me atualizo do que rola com meus amigos e
até comigo mesmo! Hehe!

Mas sério, lemos tudo que vcs escrevem e sabemos tudo que estão pensando e dizendo da gente e do programa. Nem sempre - aliás, quase nunca - é possível
comentar o que vcs acham, mas saibam: todos nós do CQC estamos à par de seus feedbacks, críticas e sugestões. O mesmo vale para todos os coments desse blog.

Fiquei particularmente feliz de saber que a matéria dos beijos aqui foi bem aceita e engraçada. É uma  típica matéria não muito convencional, em termos de
CQC, que arriscamos fazer no jogo da Holanda e Dinamarca... e que, graças às boas idéias do momento, e todo talento de nossos editores no Brasil (palmas pro
Marquinhos e equipe), ficoU divertida! Idem os treinos de Portugal e o jogo da Argentina. E o que foi o Felipe com toda aquela moral na Zona Mista do Brasil?
Cá entre nós, que outro programa consegue arrancar um chaveco extra-conjugal do Robinho?

A equipe da qual faço parte aqui, a chamada equipe B (de BOA, haha!), passou por um perrengue recentemente. Não posso contar, mas adianto que isso
mexeu muito com a gente e dificultou o processo de trabalho. Quem sabe, com o rumo dos acontecimentos, vcs saibam melhor dos fatos... no entanto, agora tá tudo bem e estamos muito empenhados, de verdade! E felizes com o que temos feito aqui e com os horizontes de perspectivas.

A pedido da minha amiga Mariana Britto, que me escreveu um e-mail legal, vou contar um pouco do que temos comido aqui. Ela disse que essa seria uma
curiosidade grande, e que relatar minhas experiências gastronômicas pode ser bacana. Bom, vamos lá.

Primeiramente, tenho tomado muito vinho tinto. Mas sempre de noite, que é qdo pode surgir um tédio maior, e sempre com moderação. Para me acalmar e me ajudar a dormir, coisa que ainda tem sido difícil. Entretanto, eu nunca bebo todas as noites no Brasil. E, à exceção da noite de ontem, tenho provado diferentes
tipos de vinhos africanos no decorrer de todos esses dias. Tem sido muito bom, ainda que eu tenha extrapolado uma vez ou outra e que tenha a impressão de
estar mais inchado! Haha!

Agora, comida: tem um ingrediente que não quero mais ver na frente assim que pisar no Brasil - pimenta do reino. Tudo aqui envolve essa pôrra. E pimentões,
então? Como os africanos curtem isso, não aguento mais! O lance aqui é: na hora do almoço ou jantar (em geral, pelo tempo e acontecimentos, escolhemos: um ou outro), ou mandamos uma carne com UM acompanhamento, ou, dependendo do lugar, comemos massas. Esqueçam o feijão, não existe ( e eu lamento tanto!). Esqueçam self-services, só existe um, e é no Centro de Imprensa da FIFA, e olhe lá. Esqueçam os sucos naturais e frutas de verdade. Eu só vi coisas em
conserva e sucos de polpa.

Em geral, qdo vc pede uma carne aqui, vc escolhe: Bif-Eye, T-Bone Steak, Filé Mignon ou Frango. Peixes são raros, ao menos por enquanto. A solução é comer
camarão e lula, que sempre tem bastante e, muitas vezes, vem na salada. Quase sempre é assim: ao pedir uma carne, vc escolhe um molho para ela (queijo,
cogumelos ou mostarda) e um tipo de batata de acompanhamento (purê, batata-frita ou backed-potato, que em nada lembra a brasileira - é só uma batata assada com manteiga à parte). Tenho pulado as carnes. Elas são generosas, mas chegam bem mal-passadas e os caras não sabem temperá-las. Comemos no Butcher´s, no Mandela Square, que é considerado "o melhor restaurante em termos de carne de toda Joanesburgo". Pois bem, foi o pior até agora. A comida demorou horas e as carnes deixaram a desejar em todos sentidos.                      

As massas tem sido melhores (se bem que hj comi o pior macarrão de toda a minha vida). Vamos muito ao Tivoli, aqui pertinho, que tem o melhor Macarrão à
Carbonara que já comi até hj. Nem em Veneza provei um igual. Lá eles fazem combinações muito doidas de pastas com carnes: comi um fettucine ao curry com
caranguejo que foi de molhar os beiços (expressão da minha avó), ainda que tenha sido muito difícil quebrar aquele bicho. No Tivoli tem um prato campeão de
pedidos do CQC, que é o Milano: vem macarrão ao molho Alfredo com carne de um lado e frango do outro. E, claro, temos o Mcdonald´s e as pizzas finas e
congeladas: recordistas de consumo entre os CQC´s, em especial na ala do Felipe, Pedro, Max e Tutu (que se mostrou, tbm, um devorador do KFC).

Buenas, mas pensem comigo: tudo que eu descrevi gastronomicamente até agora é deveras calórico, não é? Macarrão, T-Bones de 500 g, molhos, cremes, Burgers... ganhou quem apostou que estamos ficando rechonchudos. EStamos mesmo, e não há muito o que fazer. Em SP, corremos, vamos à Academia, comemos seletivamente e nos cuidamos. Aqui, não temos opção. Comemos o que dá, e o que dá nem sempre é o melhor. E não temos como queimar nada do que acumulamos direto. Vcs pensam que podemos ir à Academia? Nem tem no nosso hotel, e se tivesse não iríamos por falta de tempo e saco. Duas vezes aqui, em duas diferentes ocasiões, consegui correr nas ruas próximas ao hotel, e foi bem penoso. Em uma, eu estava desaquecido e preguiçoso. Na outra, fazia um frio dos Alpes, e cada golfada de ar que eu inalava congelava um pouco mais o meu pulmão. Enfim, muito ruim.

Falei das sobremesas? Tudo de gordo. Creme Brulé, Mousse de Chocolate, Brownie com sorvete e o famoso Cheese-Cake, que tem sido o nosso predileto. Mas nada de Salada de Frutas ou coisas leves. Não tem jeito, povo. É vinho tinto toda noite, e gordelícias todos os dias. E, pra matar de vez o corpo, saibam que
vivemos numa abstinência sexual compatível ao de um convento. E nem o "Cinco Contra a Um" rola, pq dividimos o quarto! Hahaha!

Um abraço a todos e até o próximo encontro...

Rafa  

Por Rafael Cortez às 18h54

21/06/2010

Direto da África - parte 07 OU Poema Da Coisa Única

Minha mente é tomada de assalto:
ouço essa África, que não pede licença
Pra me dizer o que pensa.
Que me faz ir de um só salto,
Da savana mais densa,
À casa que está longe, imensa...
morada que permanece propensa
À saudade que me é lançada.

Meu sono raro traz a infância bem guardada,
O carro velho e branco
Que pegava só no tranco,
A namorada antiga, que só existe num vão pranto,
Os amigos que se foram,
Cada um para o seu canto
- desde o antigo, que está morto
Ao mais velho, que é algum outro.   

Misturam-se as sensações se tendo o novo e o velho à vista
- ainda que do novo tudo se atiça,
E do velho muito se saúda.
Corre, absurda, uma lembrança obscura,
Uma sensação de que tudo se fora,
Uma vista que fica, então, turva,
O rememorar à partir de uma uva,
Sorvida com álcool na taça miúda.

A cada noite de Bossa uma sensação nova,
Constrastando com a euforia do atleta,
Do grito guardado de Hexa!
- da vontade de cobrir uma festa;
A alegria da experiência tão nossa. 

Os contatos,
Os gostos na boca,
Os sons de euforia!
Os abraços, os povos nas roupas,
Culturas em harmonia.

Bandeiras de países diversos
Mesclados aos versos
De hinos orgulhosos.

Pensamentos perversos,
Sentimentos imersos
Em momentos proveitosos.

No meio da euforia popular perde-se o indivíduo.
E eu resgato o meu comigo,
Na vontade de voltar e no estar aqui fundido.

Hj eu não sou só eu, sou um planeta.

Hj eu não sou planeta coisa nenhuma.

Eu e o RafaeL somos uma coisa única.

Por Rafael Cortez às 08h36

Sobre o autor

Rafael Cortez, 33 anos, ator, jornalista e violonista.

Já foi redator de texto erótico para celular, produtor de teatro, circo e TV, assessor parlamentar de uma vereadora de São Paulo, atendente de videolocadora, organizador de mais de 60 festinhas infantis e tem DRT de Palhaço. Gosta de Nara Leão, Public Enemy, lasanha e que cocem suas costas com as unhas. Está na TV como um dos repórteres do programa CQC, da Tv Bandeirantes.

Sobre o blog

Espaço para textos reflexivos, ácidos e que busquem alguma inteligência. Local para reflexões artísticas e culturais diversas. Não, aqui você não encontrará fofocas sobre o meio das celebridades. Não, aqui você não verá piadas a todo tempo... Mas se o autor se esforçar, você poderá ler alguma coisa boa. E contribuir comentando com algo melhor...

Histórico